Braquiterapia de alta taxa de dose no câncer de próstata

Radiocare Centro avançado de Radioterapia

Braquiterapia tem sua origem no termo grego “brakhus”, que significa perto. Ela tem sido utilizada no tratamento médico desde a descoberta da radioatividade. E, a segurança na aplicação e a tecnologia de entrega de dose têm aumentado suas indicações.

A braquiterapia de alta taxa dose no câncer da próstata é uma técnica de radioterapia na qual são inseridas fontes radioativas na próstata e ao seu redor, com intuito de matar ou esterilizar as células cancerosas. Possui uma taxa de sucesso de até 90%, dependendo do caso, e sua indicação varia conforme as características da doença, as comorbidades (condição da pessoa portadora de uma doença que passa a possuir outra(s) doenças); do paciente, e os fatores de risco associados.

Pode ser utilizada como tratamento único ou em associação à radioterapia externa. Existem diversos tipos de esquemas de tratamento, que variam desde uma a duas aplicações por dia, em dose única ou até um número maior de aplicações.

Na braquiterapia de alta taxa, o médico radio-oncologista insere os aplicadores ou cateteres na próstata do paciente. Depois de posicionados os aplicadores, são carregadas as fontes radioativas através de um robô, que controla precisamente o tempo da fonte em cada posição dentro da próstata. O procedimento é feito com anestesia (em geral raquianestesia ou peridural) e o paciente não sente dor durante o posicionamento dos cateteres ou a aplicação do tratamento.

Após o término do mesmo, os cateteres são retirados do paciente, e após o procedimento, não há mais radiação.  As fontes radioativas tipicamente utilizadas são as de Irídio (Ir 192) e o tempo de tratamento é, em geral, bem mais curto que a radioterapia externa. Dependendo da dose a ser administrada, a aplicação pode durar apenas alguns minutos.

A maioria dos pacientes não precisa ficar internada no hospital, voltando para casa logo após a recuperação anestésica. Se for indicada mais de uma aplicação, o paciente será admitido no hospital, estando sempre devidamente medicado para possíveis desconfortos.

Em estudos recentes, a braquiterapia com alta taxa de dose para tumores de próstata mostrou-se bem tolerável pelos pacientes, com redução significativa de queixas urinárias, intestinais e, também em relação à função sexual se comparada a cirurgia e ao histórico da técnica.

Outro estudo, o ASCEND-RT, publicado neste ano de 2017, comparou a qualidade de vida em pacientes com câncer de próstata que receberam as duas técnicas de radioterapia: Radioterapia externa e, neste caso, a braquiterapia com baixa taxa de dose. Os pacientes dos dois grupos responderam a questionários sobre qualidade de vida após o tratamento. Foram avaliados aspectos como dor, bem-estar geral, vida social, saúde emocional e física, sintomas intestinais e urinários e função sexual. Esses pacientes foram acompanhados, em média  até 6 anos após o tratamento. Houve melhora significativa da eficácia quando comparada a Radioterapia isolada com um excelente perfil de toxicidade.

Portanto, além de ter uma elevada taxa de cura, a braquiterapia proporciona uma melhor qualidade de vida geral. Os riscos de incontinência urinária e disfunção erétil, por exemplo, que são relativamente comuns após a cirurgia, são menores após o tratamento com braquiterapia. O risco de sequelas graves é baixo e, em geral, reversível.

Por fim, a braquiterapia mostrou ser uma alternativa segura para pacientes com tumores de próstata iniciais e pouco agressivos, quando a doença se encontra apenas na glândula, e deve ser oferecida como opção ao paciente, caso ele seja elegível para a técnica. Nos pacientes de doença de risco intermediário e alto, a braquiterapia tem se mostrado uma forte aliada no aumento das chances de cura do câncer de próstata e uma aliada importante do arsenal terapêutico.

Artigo escrito por Bruna Bonaccorsi, Radio-oncologista

“A opinião contida nesse Blog não necessariamente representa a opinião da Radiocare, não a vincula, e é de responsabilidade pessoal e exclusiva de quem a escreveu.”

Braquiterapia Ginecológica aliada na busca pela cura dos tumores ginecológicos

Radiocare Centro avançado de Radioterapia

A braquiterapia consiste na aplicação de fontes radioativas bem próximas ao local do corpo que receberá a radiação. Dessa maneira, consegue-se despejar uma alta dose de radiação no volume a ser tratado, minimizando-a em tecidos sadios adjacentes. No caso de tumores ginecológicos, como os de colo uterino ou endométrio (camada interna do útero), é introduzida uma sonda (ou um cilindro) através da vagina e um aparelho direciona uma fonte radioativa, através da sonda, para irradiação do colo uterino e vagina. Essa fonte ficará dentro da sonda (ou cilindro) entre 15 a 30 minutos e em seguida será retirada.

Geralmente, é um procedimento que não requer anestesia e é realizado em quatro aplicações, normalmente, duas vezes na semana. Durante a sessão, a paciente não apresentará sintoma algum e, logo após o término do procedimento, a mesma poderá ir para casa. Algumas horas ou dias após a braquiterapia, poderão ocorrer algumas reações agudas.

Entre essas reações, estão:

  • Ardor ao urinar,
  • Aumento na frequência da micção (necessidade de urinar várias vezes em pouca quantidade),
  • Aumento na frequência das evacuações e eliminação de muco nas fezes.

Importante: durante o tratamento, não há contraindicação em manter relações sexuais; porém, devido aos efeitos colaterais agudos, pode haver desconforto ou ardor vaginal.

Alguns meses ou anos após o término da braquiterapia, as paredes vaginais podem sofrer fibrose ou endurecimento, com perda da elasticidade e, assim, a vagina pode se tornar estreita. O médico ou a enfermeira especializada possuem orientações específicas sobre exercícios de dilatação vaginal. Esses exercícios são realizados com a ajuda de um dilatador, que é introduzido na cavidade vaginal e tem como objetivo evitar a estenose ou estreitamento da vagina.

Assim, a paciente terá alguns benefícios como: mais facilidade em ser submetida a exames ginecológicos, com coleta de células do colo uterino ou fundo vaginal (exame de Papanicolau); maior conforto durante relações sexuais e menor probabilidade de apresentar dor vaginal durante a penetração. Relações sexuais também ajudam a evitar o estreitamento vaginal e, ato contínuo, esses benefícios resultam em melhores seguimento oncológico e qualidade de vida.

Outros efeitos que podem ocorrer após o tratamento é a infertilidade e menopausa. Se houver necessidade de radioterapia externa na pelve, os ovários receberão uma dose de radiação capaz de provocar infertilidade e menopausa precoce. As doses de braquiterapia isolada podem não ser suficientes para causar falência ovariana; porém, quando somadas à radioterapia externa, contribuem para a infertilidade.

É extremamente importante que a paciente, e/ou o casal, se informe antes do tratamento sobre os efeitos colaterais comuns e esperados e também dos incomuns que, apesar de improváveis, podem ocorrer. Algumas medidas simples podem evitar grande sofrimento. O maior inimigo nessa hora é o constrangimento e a vergonha. Como usual, o médico é a fonte mais importante de informação e o maior aliado das pacientes.

*Texto pode ser reproduzido com citação das fontes.

 Artigo escrito por Leonardo Chamon, Radio-oncologista da Radiocare

“A opinião contida nesse Blog não necessariamente representa a opinião da Radiocare, não a vincula, e é de responsabilidade pessoal e exclusiva de quem a escreveu.”

Braquiterapia de próstata – uma opção no tratamento curativo do câncer de próstata

Radiocare Centro avançado de Radioterapia

A braquiterapia de próstata é uma forma de tratamento oncológico curativa para o câncer da próstata que tem demonstrado resultados similares a cirurgia e até mesmo superior a radioterapia tradicional em algumas situações. Durante o procedimento são inseridas fontes radioativas, de forma permanente ou temporária, na próstata e ao seu redor, com intuito de matar ou esterilizar as células cancerosas. O tratamento pode variar de acordo com o tipo de radiação utilizada e se será exclusivo ou associado com radioterapia externa.

Conheça os dois tipos:

Braquiterapia permanente: também chamada de baixa taxa de dose, envolve o implante definitivo de sementes radioativas, que liberam a radiação lentamente, ao longo dos meses subseqüentes. Nessa forma de tratamento, geralmente são utilizados sementes semelhantes a “grãos de arroz”, que nada mais são que minúsculos cilindros metálicos contendo o elemento radioativo. No Brasil é utilizado, normalmente, o Iodo 125.

Braquiterapia temporária: as fontes radioativas são inseridas por um robô, que controla precisamente o tempo da fonte em cada posição dentro da próstata. Nesse procedimento a radiação é depositada durante o tempo que a fonte radioativa está inserida e, uma vez terminado o procedimento, não há mais radiação no paciente. Também é chamada de braquiterapia de alta taxa de dose.

O intuito de ambas as técnicas é curar o câncer ou aumentar as chances de cura do tratamento planejado. As duas possuem vantagens e desvantagens e a indicação depende de vários fatores que são avaliados pelo radio-oncologista assistente, médico especialista no uso das radiações terapêuticas. Trata-se de uma especialidade médica pouco conhecida no Brasil, mas extremamente importante no tratamento dos diversos tipos de câncer.

A braquiterapia tem mostrado resultados similares à cirurgia no tratamento do câncer de próstata. Em algumas situações, as chances de cura são até mesmo superiores quando é utilizada a braquiterapia asssociada à radioterapia externa se comparada à radioterapia externa isolada.

Os riscos da braquiterapia são parecidos com os riscos das outras modalidades de tratamento do câncer de próstata. De uma maneira geral e, se bem selecionados os pacientes, o risco de incontinência urinária tende a ser menor que a cirurgia, assim como da disfunção erétil ou impotência sexual. Infelizmente, o risco de dano ao trato gastrointestinal, tais como o reto, é maior quando comparado à radioterapia externa isolada ou a cirurgia radical. A chance de complicações graves, tais como fístulas e perfurações é muito baixo, historicamente em torno de 0,5%. Entretanto, essas taxas têm sido menores em estudos mais recentes.

A braquiterapia pode ainda não ser a solução perfeita com risco zero de complicações e chance de cura de cem por cento, mas certamente é uma técnica que oferece algumas vantagens em relação ao tratamento cirúrgico ou de radioterapia externa isolado e possui baixa taxa de complicações severas. O médico Radio-oncologista é o principal especialista no uso da braquiterapia. Procure saber a respeito e se o seu caso pode ser candidato à técnica.

Artigo escrito por Dr. Leonardo Pimentel, Radio-oncologista da Radiocare

“A opinião contida nesse Blog não necessariamente representa a opinião da Radiocare, não a vincula, e é de responsabilidade pessoal e exclusiva de quem a escreveu.”

 

O cuidado centrado na pessoa

Radiocare Centro avançado de Radioterapia

O processo de decisão do tratamento, durante muitos anos, foi centrado exclusivamente na decisão do médico. Reconhecido por seu notório saber, competia a ele prescrever o melhor tratamento e, ao paciente, seguir sua orientação sem contestação.

A importância da participação ativa do paciente nos processos de discussão e decisão quanto a seu tratamento só muito recentemente foi reconhecido como parte essencial dos cuidados médicos. O conceito atual, que tem norteado a prática médica, se baseia na filosofia conhecida como medicina baseada em evidência. Ela se apoia em três princípios: o médico deve basear suas decisões em orientações que apresentem a melhor evidência externa disponível, ou seja, estudos bem elaborados e publicados em revistas médicas de reconhecida excelência; deve usar sua experiência acumulada e seu senso crítico em benefício do paciente, e, finalmente, ouvi-lo respeitosamente. Nenhum ato médico pode ser realizado sem que a pessoa seja adequadamente informada de efeitos colaterais e benefícios. O tratamento deve ser realizado, portanto, apenas se houver expresso consentimento do paciente.

Mais recentemente, a Health Foundation, entidade filantrópica independente do Reino Unido recomendou que se ampliassem os limites do modelo tradicional biomédico, centrado na doença, para a prática do tratamento centrada na pessoa. Sugere que se avalie de forma mais global o significado da doença para o paciente, considerando três direitos fundamentais: o de ser tratado com dignidade; respeito e compaixão e buscando os valores que são importantes para a pessoa que receberá o tratamento.

Todos nós somos diferentes e reconhecemos o adoecer de maneira muito particular. Temos temores, fundados ou fantasiosos, e somos capazes de enfrentar a realidade de forma muito própria. O tratamento deve ser adaptado às necessidades e aspirações de cada indivíduo e, não obrigatoriamente, ser realizado de forma padronizada.

Muitos fatores podem influenciar no desejo do paciente de opinar e se envolver nos processos de decisão do tratamento, como os sociais, culturais, o tipo de doença, estado físico, crenças e preferências individuais. Alguns pacientes, voluntariamente, transferem seu direito de opinar a seus familiares ou ao médico, sendo indispensável respeitar suas limitações. Em outros casos, os pacientes querem desenvolver um papel ativo na escolha do tratamento e os profissionais de saúde devem apoia-los em suas decisões. Existem pesquisas que demonstram que em casos de participação ativa, os pacientes são mais aderentes ao tratamento e mais satisfeitos com os cuidados; também os profissionais de saúde se sentem mais gratificados com aumento do senso de integração e melhora no relacionamento com os pacientes.

No contexto atual muito se discute sobre a necessidade de humanização dos cuidados, e seguramente, um passo nessa direção é a adoção das medidas sugeridas pela medicina centrada no paciente.

Artigo escrito por Miguel Torres Teixeira Leite, Radio-oncologista da Radiocare

“A opinião contida nesse Blog não necessariamente representa a opinião da Radiocare, não a vincula, e é de responsabilidade pessoal e exclusiva de quem a escreveu.”

A importância do núcleo de segurança e da normatização de condutas na Medicina

Radiocare Centro avançado de Radioterapia

O conceito de segurança do paciente vem desde os primórdios da Medicina. Primum non nocere ou primum nil nocere é um termo latino da bioética que significa “primeiro, não prejudicar” e faz parte de um princípio de Hipócrates (460-377 a.C), o pai da Medicina.

A Radiocare, Clínica de Radioterapia, conta com dois mecanismos principais envolvidos no controle e avaliação de segurança relacionada ao paciente. São eles o NSP e o Protocolo de Conduta. O objetivo é assegurar o melhor tratamento, com a melhor qualidade técnica possível.

O NSP – Núcleo de segurança do paciente, como diz o próprio nome, promove e apoia ações voltadas à segurança do paciente. Trata-se de um fórum de discussão multidisciplinar, que articula e coordena programas e atividades de gestão de riscos para prevenção de incidentes ou efeitos adversos. Os membros desse núcleo representam diferentes setores do Centro, sendo a equipe composta por médico radio-oncologista, físico médico, enfermeira, dosimetrista, biomédico, tecnólogo, técnico em radiologia, auxiliar administrativo e gerente geral.

O núcleo promove uma cultura voltada para a segurança dos pacientes, por meio do planejamento, desenvolvimento, controle e avaliação de processos assistenciais.

Entre as atribuições do Núcleo de Segurança estão:

I – Estabelecer, avaliar e monitorar barreiras para a prevenção de incidentes;

II – Analisar e avaliar as notificações sobre incidentes;

III – Desenvolver ações para a integração e a articulação multiprofissional no âmbito da instituição

IV – Identificar e avaliar a existência de não conformidades nos procedimentos realizados e na utilização de equipamentos,

V – Promover e acompanhar ações de melhoria de qualidade, alinhadas com a segurança do paciente, especialmente aquelas relacionadas aos processos de cuidado e uso de tecnologias da saúde;

No sentido de normatizar as condutas de tratamento, a Radiocare dispõe de um Protocolo de Condutas em Radioterapia. Nesse manual, periodicamente revisto e atualizado, estão detalhadamente especificadas orientações sobre o tratamento para cada situação clínica.

Em alguns casos, impõe-se uma avaliação e individualização mais cuidadosa. Nessa situação, alguns casos são levados para avaliação na reunião clínica. Trata-se de um encontro semanal e obrigatório para toda a equipe médica da Radiocare. Nessa oportunidade é apresentada a história clínica, o exame físico, o resultado dos exames e as expectativas do paciente em relação ao tratamento. Após ampla discussão, as conclusões são registradas no livro de reuniões clínicas e levadas ao conhecimento do paciente.

No ano de 2016 quase 10% dos diagnósticos foram discutidos em reunião clínica. Essa ação certamente contribuiu para os melhores resultados do Centro, principalmente tendo em vista que maioria desses casos teve decisões extremamente complexas e nem sempre óbvias.

A opinião de uma equipe grande e experiente como a da Radiocare adiciona um grande diferencial para os pacientes, que podem contar, em apenas uma consulta, com a opinião de diversos profissionais, com diferentes experiências. Aliar humanismo e excelência técnica é um dos objetivos primordiais da assistência médica e deve ser o horizonte no qual devemos olhar.

Artigo escrito por Miguel Torres Teixeira Leite, Radio-oncologista da Radiocare

“A opinião contida nesse Blog não necessariamente representa a opinião da Radiocare, não a vincula, e é de responsabilidade pessoal e exclusiva de quem a escreveu.”

Como ter uma consulta médica mais eficiente

Radiocare Centro avançado de Radioterapia

É comum percebermos que o paciente comparece à primeira consulta ansioso, repleto de dúvidas e medos. É até mesmo normal e esperado que isso ocorra. Contudo, todos esses sentimentos podem fazer com que o paciente não consiga entender e assimilar muitas orientações importantes nesse momento.

Na tentativa de tornar sua consulta médica mais eficaz, seguem algumas dicas preciosas:

  1. Chegue um pouco mais cedo que o horário agendado para não correr o risco de chegar atrasado. Assim, você terá tempo de fornecer, com tranquilidade, seus dados pessoais à secretária.
  2. Compareça à consulta médica com algum acompanhante, sempre que possível. Escolha um acompanhante que possa te auxiliar na compreensão das informações dadas pelo seu médico.
  3. Organize os exames médicos relacionados à sua doença, em ordem cronológica, em uma pasta arquivo. Exames de imagens, como mamografias, ultrassonografias, tomografias, ressonâncias, PET, resultados de biópsias, PSA, etc… são sempre importantes na hora da consulta. E sempre que fizer novos exames, atualize a sua pasta.
  4. Tire uma cópia dos exames mais importantes, porque pode ser necessário que seu médico fique com uma cópia deles.
  5. Procure saber seu histórico familiar de doenças e se tem alguma alergia medicamentosa.
  6. Traga consigo a lista de medicações que utiliza regularmente, com nome e dosagem, e ande sempre com essa lista.
  7. Anote em um papel as suas dúvidas mais importantes a respeito de sua doença e tratamento. É muito comum, durante a consulta, o paciente se esquecer de tirar uma dúvida importante. Durante o tratamento, o paciente terá consultas médicas periódicas, nas quais também poderá esclarecer outras dúvidas que por ventura surgirem.

É comum nos depararmos com situações nas quais o paciente traz para a consulta uma sacola repleta de exames desorganizados, não relacionados à sua doença e semos primordiais para sua avaliação médica. Em outras situações, os pacientes, na ansiedade que o momento traz, não conseguem se lembrar dos medicamentos que fazem de uso contínuo.

Seguindo essas dicas simples, a consulta médica será mais organizada e, tanto o médico poderá analisar melhor o caso, quanto o paciente terá mais tranquilidade e tempo para participar da consulta de maneira mais eficaz.

Artigo escrito por Stella Sala, radio-oncologista da Radiocare

“A opinião contida nesse Blog não necessariamente representa a opinião da Radiocare, não a vincula, e é de responsabilidade pessoal e exclusiva de quem a escreveu.”